Mostrar mensagens com a etiqueta Faianças OAL - Alcobaça. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Faianças OAL - Alcobaça. Mostrar todas as mensagens

domingo, 13 de dezembro de 2015

PEQUENO PRATO DA OAL – OLARIA DE ALCOBAÇA LIMITADA – MOTIVO RECORRENTE (SALOIA), VARIANTE




As pequenas peças de faiança são mais graciosas, interessantes e cativam-nos mais.
 

(Prato em Faiança de fabrico OAL - motivo "Saloio" - ?)

Por tal motivo e quando surge alguma, com motivo aprazível ou de fabrico reconhecido, não resistimos à sua aquisição e posterior colecção.


(Pequeno prato com decoração policromática, motivo regional "Saloio" - Fonte 2)
Mais uma pequena aquisição dessas: um pequeno prato em faiança, da OAL – Olaria de Alcobaça Limitada, policromático, com decoração rural, interessante, motivo recorrente, de outro já apresentado, (fonte 2), mas com uma variante temática.
 

(Pormenor da decoração policromática - tema "Saloio/a" ?)

Uma camponesa de blusa vermelha, saia azul, avental amarelo e lenço azul na cabeça, com cesto de cor azul, no braço, seguindo à frente do burro, com albarda grená e cilhas amarelas, olhando tristemente para nós, provavelmente, caminhando vagarosamente a caminho de casa, vendo-se a paisagem ao fundo, onde são evidentes as silhuetas de dois montes.
 

(Pormenor dos dois filetes de bordadura da aba da peça)

Para enaltecer o prato, dois filetes de bordadura, o exterior, acastanhado e o interior, na cor amarelada.

Atendendo à natureza de pasta utilizada, ao motivo da decoração e ao tipo de pintura realizada, bem como ao vidrado leva-nos a considerar que será uma peça fabricada na segunda metade dos anos quarenta ou primeiros anos da década de cinquenta, do século passado.
 

(A beleza da peça e a sua exibição em termos cromáticos)
Trata-se de uma decoração, em termos de pintura, de duas naturezas: uma pintura a chapa recortada ou “stencil”, com decoração de todos os elementos a preto e uma decoração manual, a pincel, nas cores amarelo, azul e vermelho, que se limitou a preencher as partes criadas pela chapa recortada, para além do enquadramento do solo e da paisagem, ao gosto do artista.
 

(O tardoz do pratinho e o carimbo inequívoco da OAL)

No tardoz do prato o carimbo, monocromático, na cor castanha, com a Indicação de *Olaria Alcobaça *Alcobaça* e no círculo interior, o logotipo OAL.
 

(O Carimbo da Fábrica OAL)

Trata-se de uma peça utilitária com uma decoração ao gosto popular, bastante utilizado à época da sua fabricação, usada com frequência no fabrico da OAL.

Era o aproveitamento de motivos rurais, definidores de uma época (meados do século XX), com a utilização de cores do gosto popular e decoração simples, mas cativante.

Muitas destas peças, pese embora de textura frágil chegaram até ao presente, pois devido à sua decoração deixaram de ser peças utilitárias, de uso doméstico e comum, passando a ser peças de decoração, geralmente expostas junto às costas dos louceiros para lhes dar uma animação decorativa e cromática.

Fontes:

1) – “Cerâmica em Alcobaça – 1875 até ao presente: CeRamiCa PLUS” – Galeria de Exposições Temporárias – Mosteiro de Alcobaça; 6 de Abril a 4 de Maio 2011; Município de Alcobaça, 2011.


3) – “ Cem anos de Louça em Alcobaça”, de Jorge Pereira de Sampaio e Luís Peres Pereira, 2008;

4) – “Faiança de Alcobaça, de 1875 a 1950”, de Jorge Pereira de Sampaio, Estar Editora, Coleção Fundamental, 1997 (?);


5) - – “A Loiça de Alcobaça”, de João da Bernarda, Edições ASA, 1ª Edição, Porto - Outubro de 2001.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

MAIS UM PRATO DA CERÂMICA OAL - ALCOBAÇA

Apresentamos mais uma peça em Faiança, peça utilitária, de uso doméstico, da OAL – Olaria (de) Alcobaça, Limitada, com decoração vegetalista sóbria, policroma; motivo repetido três vezes na aba do prato, entre os dois filetes na cor verde seco que o delimita.


(Prato em Faiança da OAL)

A decoração policroma com três arranjos vegetalistas iguais, aparentando margaridas ou camomilas, com pétalas vermelhas escuras, bolbo, ramos e folhas na cor verde seco, é corrente à época, e quase que se poderia confundir com algum tipo de faiança da Fábrica de Loiça de Sacavém.
 

(Prato em Faiança da OAL - pormenor da decoração vegetalista)

No tardoz do prato, é exibida a marca, em tons de verde seco, inequívoca da OAL – o logotipo da Olaria de Alcobaça, Limitada; inserida numa coroa circular, igualmente verde, com as indicações: OLARIA ALCOBAÇA – ALCOBAÇA.
 
(Prato em Faiança da OAL - pormenor do tardoz)
Como sabemos esta fábrica laborou entre 1927 e 1984, tendo-se como dado adquirido que este tipo de faiança deva ter sido produzido nas décadas de 60 e 70, já na parte final da laboração da fábrica.
 
(Prato em Faiança da OAL - pormenor do carimbo)
Tratava-se de uma faiança simples, para uso doméstico comum, de baixo valor comercial, concorrencial com as demais faianças existentes à época e de implantação regional, na periferia de Alcobaça.
 
(Prato em Faiança da OAL - pormenor do carimbo)
Consideramos que é importante divulgar e catalogar as peças de faianças fabricadas na região de Alcobaça, na época referida, pois constituem e definem uma diferenciação da tradicional louça azul de Alcobaça.


(Prato em Faiança da OAL - motivo vegetalista policromático)


Fontes:

1) - “Cerâmica em Alcobaça – 1875 até ao presente: CeRamiCa PLUS” – Galeria de Exposições Temporárias – Mosteiro de Alcobaça; 6 de Abril a 4 de Maio 2011; Município de Alcobaça, 2011.


3) – “ Cem anos de Louça em Alcobaça”, de Jorge Pereira de Sampaio e Luís Peres Pereira, 2008;

4) – “Faiança de Alcobaça, de 1875 a 1950”, de Jorge Pereira de Sampaio, Estar Editora, Coleção Fundamental, 1997 (?);

5) - – “A Loiça de Alcobaça”, de João da Bernarda, Edições ASA, 1ª Edição, Porto - Outubro de 2001.

6) – “A Faiança de Raul da Bernarda & F.os, Lda. – Fundada em 1875 – ALCOBAÇA”, de Jorge Pereira de Sampaio, Edição Particular da Fábrica Raul da Bernarda & F.os, Lda., Alcobaça, Outubro, 2000.


sábado, 4 de julho de 2015

LINDA TAÇA TRIPÉ OAL – OLARIA DE ALCOBAÇA, LDA.

Linda taça, de bordadura gomada, de covo acentuado, com tripé de apoio, decorada também pelo tardoz, com decoração dita de Louça (artística) de Alcobaça, em que o azul era a cor predominante com marca manual “OAL”, “ALCOBAÇA” e “M” – a identificação da artista, a “Maria”, do acabamento.

(A taça - vista geral de frente)
(A decoração floral central)
(A tripla decoração floral lateral e a decoração de bordadura em azul forte)
(A taça vista de tardoz, decorada com um triplico arranjo floral e o tripé de apoio)
(A marca no tardoz: OAL, ALCOBAÇA e a sigla M)


1. Um pouco de história da OAL:

A propósito da OAL – Olaria de Alcobaça, Lda. e historiando um pouco, há a recordar que a mesma foi fundada em 1927, por Silvino Ferreira da Bernarda, um dos seis filhos de Manuel Ferreira da Bernarda, António Vieira Natividade e seu irmão, professor, Joaquim Vieira Natividade, e veio a encerrar em 1984.

Começou a laboração com seis operários e tinha como meios de produção: dois fornos, oito rodas de oleiro, um moinho de bolas para moer vidro e um motor de combustão interna de um cavalo de força.

Desde o início da sua actividade, que se dedicou ao fabrico de louça utilitária, de uso doméstico, produzindo peças que replicavam o estilo Coimbrão.

As peças eram decoradas pela técnica da estampilha, bem como pela pintura à mão ou então pelos dois processos em simultâneo.

Por volta de 1928 a fábrica OAL dá início à produção de várias réplicas de louça antiga.
 
(O logótipo da Fábrica na Fachada Principal)
Em 1935, época em que produziu com qualidade, apresenta algumas das suas melhores peças na exposição "Lisboa Antiga" e executa a sua centésima fornada.

Consta que por volta de 1939 ingressam as primeiras mulheres no quadro do pessoal da fábrica, para a secção do acabamento (pintura), como aprendizes – as denominadas serventes.

Em 1944 procede-se à instalação de um terceiro forno para possibilitar o aumento da produção e a partir de 1946 ocorre a fase de maior comercialização, a par com o aumento das exigências de mercado que provocaram a necessidade de transformação dos processos fabris.

Adoptou-se a faiança de pasta branca e a progressiva mecanização das instalações, com a consequente redução da mão-de-obra.

Por volta de 1947 na fábrica trabalhavam cerca de quarenta operários.
 
(A peculiar fachada da fábrica com o seu logótipo)
No ano seguinte (1948) procede-se à ampliação da fábrica bem como à alteração do seu processo produtivo, em que o barro, a matéria-prima principal, é substituído pelo pó de pedra (pasta branca) e em que a pintura é aplicada sobre a chacota cozida sendo posteriormente vidrada.

Em 1959 procedeu-se à construção de novo edifício e à alteração dos existentes, adaptando-se às necessidades e aos novos processos de produção.
 
(A austera imagem da fachada lateral da fábrica)
João da Bernarda aplicou nesta fábrica os ensinamentos estéticos de cerâmica artística, aprendidos em Paris, e inicia uma linha de peças decorativas, que foram expostos na 1ª Feira Industrial de Lisboa. As  peças expostos vieram a distanciar-se claramente do protótipo português e popular, bastante diferente do que era a designada “loiça de Alcobaça”.

Na década de 60 foi influente e preponderante a intervenção de Mário Tanqueiro, na contratação e gestão do pessoal, o qual viria mais tarde, no final dessa década a intervir na então criada SPAL – Sociedade de Porcelanas de Alcobaça, Lda., em que a OAL foi uma das empresas fundadoras da mesma.

Nas décadas seguintes, a produção começa a reduzir-se e a fábrica começa a definhar, vindo a encerrar definitivamente em 1984.



2. A Localização da OAL:

Situava-se próximo do Rio Côa, junto à sua margem direita e estava implantada no perímetro da antiga cerca conventual do Mosteiro de Alcobaça.

Estava implantada próximo de um edifício de construção recente (um hotel), e em que o seu alçado lateral esquerdo estava delimitado por um arruamento de acesso à urbanização do Lameirão.

Por outro lado, o alçado a tardoz (posterior) desenvolvia-se em paralelismo com a margem direita do rio Alcoa, a uma distância de cerca de 200 metros, sendo que a sul, se situava o Mosteiro de Alcobaça.

Na verdade, era um edifício característico, em especial a sua fachada, sendo que foi o primeiro edifício fabril deste género em Alcobaça e por onde passaram gerações de trabalhadores, alguns a sua vida inteira de trabalho.



3. O que fabricava a OAL:

Desde o seu início de fabricação que foi uma fábrica inovadora, quer no seu processo produtivo, quer nos motivos decorativos.

No que se refere ao processo produtivo, criaram (réplicas) peças tendo como base a inspiração na cerâmica portuguesa dos séculos XVII, XVIII e XIX, recorrendo ao desenho de peças existentes nos museus e até mesmo em colecções particulares.
 
(Prato monocromático azul inspirado em modelo do século XVII)
 (Peça do Museu Nacional do Azulejo)

(Pratos pintados a azul e manganês, com motivos inspirados na cerâmica do século XVII de Lisboa. Com sigla de José Pedro e António da Natividade)
(Apresentados no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
(Jarra rodada pintada na cores azul, manganês e amarelos, inspirada em motivos na Cerâmica do século XVIII, com sigla de Alberto Anjos)(Apresentada no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
(Canudos, pintados na cor azul e manganês; e azul amarelo, verde e manganês, ambos com a sigla José Pedro - Período 1927-1947)(Apresentados no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
Em relação aos motivos decorativos, foi frequente o uso de figuras humanas e de quadras, de inspiração pura coimbrã – louça ratinha – loiça ratinha – assim denominada por ser vendida a preços módicos aos trabalhadores das Beiras, que se deslocavam sazonalmente para o sul do país para auxiliarem nas actividades agrícolas - com origem em Coimbra, com grande circulação em finais do século XIX e início do século XX, dará origem a peças de gosto e manufactura popular de poderosa expressividade– fonte 7).

Na verdade esta fábrica iniciou um autêntico período de renovação da produção cerâmica, tendo provocado a requalificação técnica e artística da cerâmica, quer com cópias de peças antigas, quer com apostas em  peças modernistas, especialmente até 1947. 

Na verdade, na década de 1930 e nos primeiros anos de 1940, as peças da Olaria de Alcobaça tiveram muito sucesso junto dos mercados brasileiro e americano, começando a declinar a partir de 1948, quando as imposições dos compradores prevaleciam, não se impunham modelos estéticos com qualidade e a degradação da fábrica iniciava-se. 

Um dos factores para a renovação da produção cerâmica, foi o surgimento das peças de autor.

O pintor naturalista Martinho da Fonseca (1890-1972)  e o aguarelista Jorge Maltieira  (1908-1994), foram os primeiros a assinar as suas peças. Mais tarde outros pintores de cerâmica também assinaram as suas peças, como: Joaquim Natividade, Irene Natividade, Leonor Natividade, José Pedro, Silvino da Bernarda, Alberto Anjos, Arnaldo Marques e Noel Costa. 

(Jarra rodada com pintura policroma a azul, manganês, amarelo e verde, com sigla de Noel Costa, depois de 1935)(Apresentada no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
(Jarra rodada com pintura monocroma a manganês, com sigla de Alberto Anjos)(Apresentada no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)

É frequente a representação denominada "compota de ginjas", pratos decorados com “rendas” e corações trespassados.

(Saladeira montada com decoração policroma a azul, verde e manganês, com inspiração na cerâmica lisbonense do Monte Sinai)(Apresentada no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)

Outras peças, também pintadas a azul e branco, apoiaram-se em modelos cerâmicos de finais do século XVII e inícios do século XVIII, produzidos em Lisboa, os quais possuíam cercaduras de acanto e cenas centrais com veados, cães e paisagens com motivos arquitectónicos.

(Prato com decoração pintada e esponjada, nas cores azul, amarelo e manganês, inspirada na loiça "ratinha" de Coimbra)  (Apresentado no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)

Algumas das peças iniciais da Olaria de Alcobaça, da dita de cerâmica ornamental, indiciavam já para uma renovação na forma e no tipo de peças - jarras, potes, bases de candeeiros, pratos decorativos; bem assim como na temática decorativa, naturalista, com fantasiosas elaborações de desenho.

(Tinteiro em faiança moldada com pintura policromática, a azul, amarelo e manganês)(Apresentado no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
As formas eram bastante simplificadas, com volumes esféricos e cilíndricos, e até volumes rectos, prismáticos e piramidais.

A decoração era envolvida por motivos vegetalistas, em registos naturalistas, preenchendo a quase totalidade das peças ou delimitando-as em barras bem traçadas, separadas pela intensa policromia aplicada ou pela escala dos motivos. 
(Cajirão em faiança rodada, com decoração policromática nas cores azul, verde, amarelo e manganês, com a sigla de José Pedro)(Apresentado no documento: Museu Nacional do Azulejo (2001) - Cerâmica de Alcobaça de João da Bernarda (1875-1947)
Como matéria-prima principal utilizaram o barro dos Capuchos, que após a cozedura ficava com um característico aspecto rosado; o qual mais tarde foi substituído por pasta branca calcítica.

Na decoração a cor predominante era o azul, num tom suave, em toda a peça, constituindo assim a sua “base” e a restante decoração em tons de azul mais forte, para além dos amarelos, amarelos-torrados, vermelhos, verdes e outras cores compostas.

(Prato com decoração policromática, motivo floral - Fonte 5)

Os motivos das decorações eram essencialmente florais, com interessantes arranjos policromáticos, que geralmente se repetiam na peça, em função da sua configuração.

Numa fase posterior fabricou também peças em que deixou de ser aplicada a cor azul, mas outras, sendo usada a cor creme para base de toda a peça e dourados, em especial no motivo ATHENA.

(Jarra com decoração ATHENA - Fonte 5)

Os pratos decorativos, de pendurar, recortados ou reticulados constituíram também peças muito recorrentes e interessantes, muitos deles com as célebres quadras.

(Prato recortado, com quadra e decoração policromática - Fonte 5)

Tanto nestas peças como noutras, tais como nos fruteiros, a pintura era sempre manual, sob o vidrado, com motivos florais ou vegetalistas, com recurso aos azuis fortes – a azul-cobalto.

(Fruteiro recortado ou rendado, com decoração policromática - Fonte 5)
Tal como já se disse, no período final da produção da OAL, foram produzidas outras peças, com forma e decoração muito diferente do seu habitual, característico das décadas de 30 e 40 do século passado. Vejam-se alguns exemplos:

- Jarra bojuda de base creme cm filetes dourados e decorações florais, sob o tema de groselha, com ramos, folhas e frutos, pintados nas cores verde-seco e castanho, sob o vidrado, com retoques a dourado sobre o vidrado.

(Jarra bojuda, rodada, com decoração policromática - Fonte 5)
Este tipo de decoração evidencia claramente a adaptação da produção da fábrica às exigências do mercado, em especial o de exportação, mantendo, contudo uma decoração manual especializada; a qual foi gradualmente abandonada ao longo do tempo e que provavelmente também contribuiu para o declínio e encerramento desta fábrica.


Nas décadas de 60 e 70, e mais uma vez indo ao encontro das exigências de mercado, ao gosto à época e ao tentar vender o que seria fácil, com o aproveitamento de peças semelhantes da concorrência, também produziu peças fora da decoração habitual desta fábrica, como é o caso da chávena e pires que se apresenta de imediato:
 
(Chávena e pires com decoração floral estilizada policromática - Fonte 5)
Com recurso a uma decoração simples, tipo borrão e revivalista, com cores fortes e quentes.

Deve-se a Ferreira da Silva, em parte a inovação havida nas formas, com a execução de peças criativas em rotura com a produção corrente das fábricas de cerâmica.


4) Outras peças nossas já catalogadas:

Provavelmente das décadas de 40 ou 50, ou mesmo do início dos anos 60, outras peças que caracteriza a produção desta fábrica, a sua evolução e adaptação aos tempos, são algumas que já foram apresentadas e que reproduzimos aqui:

- Taça em faiança “Lembrança Praia Monte Gordo):

(Taça com decoração de "Lembrança" - Fonte 8)
- Pequeno prato com decoração “Saloia”:
 
(Pequeno prato com decoração policromática, motivo regional "Saloio" - Fonte 8)
- Prato covo com decoração floral:

(Prato covo, com decoração policromática, motivo floral - Fonte 8)
Exibimos também uma pequena tacinha gomada e de bordadura recortada, com decoração policromática de motivo floral, provavelmente dos anos 30:




5: O que restava em 2011 da OAL:

Em finais de 2011, o que restavam da fábrica da OAL é o que se exibe:

 
(Enquadramento da Fábrica da envolvente edificada)

 
(A carismática e austera fachada da fábrica)
 
(O interior da fábrica deplorável!)

6. Em jeito de conclusão:

A inventariação e apresentação de mais uma interessante peça de faiança, esta o tipo de Louça de Alcobaça, mais propriamente da OAL – Olaria de Alcobaça, Lda., foi o mote para uma breve apresentação desta fábrica e do seu fabrico.


Fabrico esse que teve uma significativa evolução ao longo do tempo, apresentando períodos perfeitamente distintos, em termos de qualidade, de decoração, com a continuada redução da mão-de-obra, e a consequente desvalorização das respectivas peças, deixando a louça artística e enveredando pela louça utilitária, de uso doméstico, mais pobre e menos elaborada na decoração.

(A aba recortada, com a decoração espinhada em azul forte e a decoração floral policromática)


De algo modo ilustra o percurso de outras fábricas de faiança existentes no século passado e que vieram a encerrar no final do mesmo ou no início do actual século, por não terem conseguido se adaptar à evolução, aos hábitos de consumo e às diversas concorrências havidas, de outros materiais, de fabricos de outros países, de outros meios de comercialização, entre outras mais.

(O tardoz da peça, com um dos tripés, a marca e a sigla do autor da decoração)


FONTES:









9) - “Cerâmica em Alcobaça – 1875 até ao presente: CeRamiCa PLUS” – Galeria de Exposições Temporárias – Mosteiro de Alcobaça; 6 de Abril a 4 de Maio 2011; Município de Alcobaça, 2011.

10) – “ Cem anos de Louça em Alcobaça”, de Jorge Pereira de Sampaio e Luís Peres Pereira, 2008;

11) – “Faiança de Alcobaça, de 1875 a 1950”, de Jorge Pereira de Sampaio, Estar Editora, Colecção Fundamental, 1997 (?);

12) – “A Loiça de Alcobaça”, de João da Bernarda, Edições ASA, 1ª Edição, Porto - Outubro de 2001.


13) – “A Faiança de Raul da Bernarda & F.os, Lda. – Fundada em 1875 – ALCOBAÇA”, de Jorge Pereira de Sampaio, Edição Particular da Fábrica Raul da Bernarda & F.os, Lda., Alcobaça, Outubro, 2000

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

PRATO COVO EM FAIANÇA DE ALCOBAÇA – OAL

Quando se fala em Faianças de Alcobaça logo se pensa em peças de decoração, na cor azul e raramente em peças utilitárias, de uso doméstico, em faiança branca.


Tudo a propósito da faiança utilitária de uso doméstico, vidrada na cor branca e com decorações semelhantes a tantas outras faianças de outras fábricas, nomeadamente da Fábrica de Loiça de Sacavém.


Apresentamos um prato covo, de covo acentuado, com aba recortada, reforçada com um filete grosso, a dourado. Possui igualmente outro filete a demarcar o limite da aba para o covo, igualmente a dourado, mais fino e interrompido pela decoração vegetalista da peça.


A decoração policroma com três arranjos vegetalistas diferentes e de tamanhos diversos, com malmequeres azuis e fenos ou parganas amarelas e castanhas, é interessante, e quase que se poderia confundir com algum tipo de faiança da citada Fábrica de Loiça de Sacavém.


Mas voltando ao prato, no seu tardoz, a marca, em tons de azul é inequívoca: OAL – o logotipo da Olaria de Alcobaça, Limitada; inserida numa coroa circular, igualmente azul, com as indicações: OLARIA ALCOBAÇA – ALCOBAÇA.


Esta fábrica laborou entre 1927 e 1984, crendo-se que este tipo de faiança deva ter sido produzido nas décadas de 60 e 70.


Tratava-se de uma faiança simples, para uso doméstico comum, de baixo valor comercial, concorrencial com as demais faianças existentes à época e de implantação regional, em redor de Alcobaça.

Apesar destes factos e dado que constitui um marco diferenciador no fabrico de faianças na região de Alcobaça, numa determinada época, consideramos de realce a sua inventariação e divulgação.


Fontes:

1) - “Cerâmica em Alcobaça – 1875 até ao presente: CeRamiCa PLUS” – Galeria de Exposições Temporárias – Mosteiro de Alcobaça; 6 de Abril a 4 de Maio 2011; Município de Alcobaça, 2011.


3) – “ Cem anos de Louça em Alcobaça”, de Jorge Pereira de Sampaio e Luís Peres Pereira, 2008;

4) – “Faiança de Alcobaça, de 1875 a 1950”, de Jorge Pereira de Sampaio, Estar Editora, Coleção Fundamental, 1997 (?);

5) - – “A Loiça de Alcobaça”, de João da Bernarda, Edições ASA, 1ª Edição, Porto - Outubro de 2001.

6) – “A Faiança de Raul da Bernarda & F.os, Lda. – Fundada em 1875 – ALCOBAÇA”, de Jorge Pereira de Sampaio, Edição Particular da Fábrica Raul da Bernarda & F.os, Lda., Alcobaça, Outubro, 2000.